• Mariliane C.Caramão

Consumo, consumismo infantil e a preservação ambiental.

Muitos projetos voltados ao estudo de bem-estar infantil, alertam para o fato das crianças estarem substituindo o brincar pelo consumir. A troca não passa conscientemente pela vontade delas, mas a consequência lhes é duplamente negativa. Em primeiro lugar, consome o tempo único e mágico que é a infância; em segundo, compromete a qualidade de vida futura delas.


Neste 05 de Junho, que comemoramos o Dia do Meio Ambiente, vamos falar um pouquinho como tudo isso acontece e repensar como podemos auxiliar nossas crianças a não se tornarem exterminadoras do próprio futuro.


Se para adultos já é difícil resistir aos apelos da publicidade, imagine para as crianças!

Vamos entender um pouco mais para transmitir às nossas crianças a mensagem que "O meio ambiente começa no meio da gente".


Para comer, vestir, morar, trabalhar, brincar, para viver, tudo que consumimos tem origem na energia ou matéria-prima da natureza. Não há existência sem consumo e está tudo certo. O consumismo, porém, remete ao excesso, ao desperdício de recursos. À medida que o consumo sistematicamente extrapola o necessário, gera-se um desequilíbrio no ambiente. Acontece que a vida e o ambiente estão conjugados!


" A terra pode oferecer o suficiente para satisfazer as necessidades de todos os homens, mas não a ganância de todos os homens".
Mahatma Gandhi

Sustentabilidade é a capacidade de cumprir com as necessidades do presente sem comprometer os recursos naturais disponíveis paras as gerações futuras. A sustentabilidade está apoiada nos pilares econômico, ambiental e social.


Estamos falando de mudanças que envolvem cultura, valores, hábitos, comportamentos, padrões de consumo, que se resolvem mais por conscientização do que por legislação.

Podemos traduzir as ações nos 5R's: repensar, reduzir, recusar, reutilizar e reciclar.

Pelo lado econômico, também podemos pensar no seguinte: quanto mais raro for um recurso natural, maior será o preço dos produtos que utilizam tal recurso na sua composição. A terra, por exemplo, que nos fornece alimentos, pode perder a fertilidade com métodos de produção inadequados. A água, sua contaminação também merece atenção. E por aí vai...


Crianças e jovens se mostram os mais sensíveis às causas de proteção ambiental. Mas até os 12 anos de idade não possuem discernimento para fazer escolhas conscientes, sua capacidade de julgamento ainda é deficiente. E elas precisam muito do nosso apoio para construir essa sustentabilidade. Sozinhas não percebem a desconexão entre a efemeridade do consumo ao qual estão expostas e a necessidade de preservar os recursos.


Há alguns anos, quando as crianças nem tinham acesso a redes sociais e a publicidade era mais restrita, a revista The Economist, publicou um estudo mostrando que 80% das decisões de compra em uma casa vinham das crianças, e para elas que os comerciais são feitos. Não possuem ainda uma capacidade de escolha que avalie o que está sendo oferecido, mas possuem amplos poderes de decisão.

Ao mesmo tempo que as crianças estão sendo estimuladas a consumir em formato looping, onde um desejo satisfeito imediatamente dá lugar a outro, se perde a oportunidade de ensiná-las como se proteger desse apetite por consumo. É nosso dever levar esclarecimento já direcionando para atitudes positivas.


Nós, família e professores, não podemos deixar que gerações de consumidores cresçam sem perceber a relação que existe entre o ato de consumir e o meio ambiente. Desde a mais tenra idade a criança pode ser ensinada do poder extraordinário nas nossas decisões de consumo.


O que podemos fazer:


Primeiro, não podemos delegar aos filhos, decisões que não estão adequadas à sua compreensão. A autonomia se constrói alinhada com conhecimento. Segundo, podemos ensiná-los ferramentas para conviver com a efemeridade dos desejos. Uma delas é a educação financeira sustentável, na qual as decisões são tomadas construindo noção de tempo e limitação dos recursos.


Na educação financeira falamos em ADIAR A RECOMPENSA. Isso é justamente o contrário de satisfazer um desejo imediatamente, se trata de desenvolver a capacidade de adiar os desejos do presente em troca de benefícios futuros. Para isso, se mostra que necessidade e desejo, querer e precisar residem em lugares diferentes.

Pense que você estará estimulando habilidades valiosas como empatia, solidariedade, criatividade para resolver problemas e o senso crítico, por exemplo.


Tudo, exatamente tudo, que é produzido, utiliza recursos naturais. E eles são finitos, têm um limite! E a nossa própria existência depende deles.


Cada escolha que fazemos hoje define a qualidade da nossa vida futura!

Você acha que uma criança terá dificuldade para entender a relação de interdependência entre todos os seres da natureza? Tudo no universo se liga, tudo se encadeia, numa grande unidade. Este é o conceito de ecossistema. Ao agirmos com propósito, é provável que os pequenos coloquem seus neurônios espelho em ação imitando involuntariamente o comportamento.


Cada vez que a criança exerce cuidado com a posse de brinquedos, livros, roupas; cada vez que os familiares a conduzem a refletir se precisa realmente de algo que pede; cada vez que não desperdiça comida; cada vez que faz uma doação; cada vez que ela entrega seu bem-estar a uma brincadeira solta na natureza, ela está em ação nesse ecossistema.


Não se trata unicamente de ter ou não dinheiro para comprar, mas sim do entendimento disso tudo que mencionei aqui.


Para amenizar os efeitos da publicidade, não devemos, nem precisamos, causar um sentimento de culpa ou desespero nas crianças. Devemos, sim, incentivá-las à responsabilidade, ao autocontrole, ao propósito de colaboração, que realmente se faz necessário.


Quando escolhemos de forma consciente o que consumir, evitando excessos e comprometidos com a sustentabilidade, estamos sendo consumidores conscientes. Estamos agindo em favor de um mundo melhor e ensinando nossas crianças a agir do mesmo modo.


Obesidade, endividamento, falta de tempo e meio ambiente comprometido são sinais de uma qualidade de vida ruim. Mas temos conhecimento e tecnologia suficientes para caminhar na direção sustentável.

Vamos?


Repen$e


Para quem quer acompanhar tudo sobre educação ambiental:

https://akatu.org.br/


Para quem quer saber mais sobre bem-estar infantil:

https://alana.org.br/


Filmes sobre o tema:


Criança, a alma do negócio

https://www.videocamp.com/pt/movies/crianca-a-alma-do-negocio


Muito além do peso

https://www.videocamp.com/pt/movies/muito-alem-do-peso



Referências utilizadas:

O amanhã não está à venda, Ailton Krenak

A lógica do consumo, Martin Lindstron

Mundo sustentável 2, André Trigueiro




24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo